O espírita

Espiritismo, Doutrina Espírita e espírita

Os termos Espiritismo, ou Doutrina Espírita, e espírita, ou espiritista, foram criados por Allan Kardec para designar a nova doutrina dos Espíritos e os seus adeptos, que surgiam com a Codificação Espírita, cujas justificadas encontram-se na introdução em “O Livro dos Espíritos”, “Ao estudo da Doutrina Espírita”, no item I.

Essas denominações foram escolhidas pelo Codificador do Espiritismo para se evitar confusão com outras designações como espiritual, espiritualista e espiritualismo, que já tinham as suas concepções bem definidas.

O Espiritismo tem por princípio as relações do mundo material com o dos Espíritos ou com os seres do mundo invisível, cuja doutrina decorre da sua codificação por Allan Kardec, auxiliado pelos Espíritos Superiores, mediante cinco obras básicas que envolvem todo um conjunto coerente, lógico e racional de princípios e ideias fundamentais, os quais estão sistematizados segundo os seus aspectos científico, filosófico e religioso.

Além disso, a Doutrina Espírita é dinâmica e complementada pela literatura espírita subsequente, em razão das revelações e dos ensinos dos Espíritos, acompanhando o progresso humano, os avanços da Ciência e a paulatinidade das revelações espíritas, conforme o nosso grau evolutivo, como disse Jesus: “ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. Mas, quando vier aquele Espírito de Verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir” (João 16: 12-13).

Isso porque os Espíritos, pelo desenvolvimento da inteligência, do livre-arbítrio e da moral, começam os seus processos evolutivos. Desde o início de sua formação, o Espírito não goza da plenitude de suas faculdades. A inteligência só pouco a pouco se desenvolve. Em cada nova existência, o homem dispõe de mais inteligência e melhor pode distinguir o bem do mal.

O progresso moral acompanha o progresso intelectual, mas nem sempre o segue imediatamente. O progresso moral segue o intelectual quando o Espírito desenvolve o seu livre-arbítrio e começa a compreender o bem e o mal, realizando escolhas corretas e tendo consciência das responsabilidades dos seus atos. A moral e a inteligência são duas forças que só com o tempo chegam a se equilibrar, cujos avanços permitem absorver mais conhecimentos e verdades.

Por isso, o Espiritismo veio, na época predita, cumprir a promessa do Cristo, e “Se o Espiritismo tivesse vindo antes das descobertas científicas, teria malogrado, como tudo quanto surge antes do tempo” (KARDEC. A Gênese.).

Assim, a Doutrina Espírita é produto da construção coletiva, formado pelo conjunto dos seres do mundo espiritual, cada um trazendo o tributo de suas luzes aos homens, para lhes tornar conhecido esse mundo e a sorte que os espera.

Para a Doutrina Espírita, Espiritismo e Ciência completam-se, principalmente com os conhecimentos advindos das revelações espirituais transmitidas por Espíritos superiores e das leis que regem as relações do mundo corpóreo com o mundo espiritual, que são leis da Natureza, trazendo luz aos fenômenos incompreendidos pelo homem.

Para o Espiritismo, o Universo não é só matéria, tem um princípio inteligente regendo tudo que existe. Da ação simultânea dos princípios material e inteligente, nascem fenômenos que são inexplicáveis se não considerar um dos dois. Acima de tudo, está Deus.

“Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma maneira que as ciências positivas, isto é, aplicando o método experimental. Quando fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas, o Espiritismo os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega à lei que os preside; depois, lhes deduz as consequências e busca as aplicações úteis” (KARDEC. A Gênese.).

A Ciência Espírita veio a partir de Allan Kardec, que se dedicou de corpo e alma ao trabalho científico de maneira incansável na elaboração da Codificação Espírita, passando a analisar os fatos espíritas sob o rigor da metodologia científica e dos princípios filosóficos.

Para garantir a veracidade, Kardec estabeleceu um controle universal dos ensinos dos Espíritos pela universalidade e concordância de suas revelações, ou seja, a garantia pela concordância das revelações dos Espíritos que eles façam espontaneamente, mediante grande número de médiuns, estranhos uns aos outros, e de vários lugares.

Nesse sentido e contexto, o espírita é o adepto que segue, orienta-se e conduz a sua vida, as suas atitudes e ações de acordo com a Doutrina Espírita. Por conseguinte, nem todo espiritualista, praticante de determinada crença ou médium é um espírita.

Importante destacar que a mediunidade é inerente a uma aptidão ou uma disposição orgânica de cada ser humano, conferida sem distinção, que qualquer um pode ser dotado, servindo de meio de comunicação com os Espíritos, não necessariamente ser um espírita.

“Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso mesmo, raras são as pessoas que dela não possuam alguns rudimentos. Pode, pois, dizer-se que todos são, mais ou menos, médiuns. Todavia, usualmente, assim só se qualificam aqueles em quem a faculdade mediúnica se mostra bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certa intensidade, o que então depende de uma organização mais ou menos sensitiva”. (KARDEC. O Livro dos Médiuns. Capítulo XIV. Dos médiuns. Item 159).

Espiritismo como filosofia de vida

O Espiritismo como doutrina filosófica de efeitos religiosos traz regras morais de vida e comportamento a todos os seres humanos, tendo Jesus como modelo de perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar, porquanto Deus nos oferece o Cristo, desde o princípio de tudo, como o Governador do Orbe Terrestre, sendo o Mestre divino o caminho, a verdade e a vida em direção ao Pai, e a doutrina que nos ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque Ele é o mais puro de quantos têm aparecido na Terra, pois o Espírito Divino o animava (KARDEC. O Livro dos Espíritos. Questão 625).

O Espiritismo, como todas as religiões, baseia-se nos vínculos de amor a Deus e ao próximo, na caridade que salva e liberta a alma, na fraternidade universal e na comunhão de pensamentos com base nas leis de Deus, unindo a fé e a razão. Além disso, preocupa-se com as consequências morais do seu ensino, buscando, na ética e na moral pregadas por Jesus, os elementos que deverão nortear a conduta do ser humano rumo ao Criador.

Um de seus efeitos é incutir sentimentos religiosos nos que os não possuem e fortalecê-los nos que os tenham vacilantes.

Nessa direção, o Espiritismo busca proporcionar a transformação moral do homem, retomando os ensinamentos de Cristo, para que sejam aplicados na vida diária de cada pessoa, revivendo o Cristianismo na sua verdadeira expressão de amor e caridade, religando a criatura à sua origem divina.

Entretanto, o Espiritismo não é uma religião constituída, visto que não tem culto, nem rito, nem templos e que, entre seus adeptos, nenhum tomou, nem recebeu o título de sacerdote ou de sumo-sacerdote.

Moral e ética espíritas

A moral e a ética perante as leis de Deus devem orientar a moral e a ética dos espíritas.

As leis de Deus são eterna, imutáveis, infinitas e universais. Na mesma direção, a moral e a ética espíritas não podem ser relativizadas.

A moral envolve valores que regem o comportamento diante das normas instituídas pela sociedade ou pelo grupo social, determinando o sentido moral de cada indivíduo em suas relações saudáveis e harmoniosas. Busca o bem-estar social.

Para a Doutrina Espírita, em “O Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec, na questão 629, “a moral é a regra do bem proceder, isto é, de distinguir o bem do mal. Funda-se na observância da lei de Deus. O homem procede bem quando faz tudo pelo bem de todos, porque então cumpre a lei de Deus”. (KARDEC. O Livro dos Espíritos)

Na questão 630, “o bem é tudo o que é conforme a lei de Deus; o mal, tudo o que lhe é contrário. Assim, fazer o bem é proceder de acordo com a lei de Deus; fazer o mal é infringi-la”. (KARDEC. O Livro dos Espíritos)

No Livro “A Gênese”, de Allan Kardec, na parte acerca da origem do bem e do mal, “se o homem fosse criado perfeito, fatalmente seria levado para o bem. Deus quis que ele fosse submetido à lei do progresso, e que esse progresso fosse fruto do seu próprio trabalho, a fim de que dele tenha o mérito, da mesma maneira que a responsabilidade do mal que é praticado por sua vontade”. (KARDEC. A Gênese)

“Como o homem tem que progredir, os males aos quais está exposto são um estímulo para o exercício da sua inteligência, de todas as suas faculdades físicas e morais, incitando-o à procura dos meios de se preservar deles. Se ele não tivesse nada a temer, nenhuma necessidade o levaria à busca do melhor; ele se entorpeceria com a inatividade de seu espírito; não inventaria nada, não descobriria nada. A dor é o aguilhão que compele o homem a avançar na estrada do progresso”. (KARDEC. A Gênese)

O Evangelho de Jesus é o Código Moral dos cristãos, que se fundamenta na Lei de Deus, e a moral que a Doutrina Espírita ensina é a de Jesus Cristo, razão que não há outra melhor. Nesse sentido, a moral espírita deve ter o mesmo referencial.

As orientações morais fornecem subsídios para a construção e aplicação de normas de conduta, coletivas e individuais, subsídios que podem ser utilizados pelo ser humano, independentemente dos seus costumes, religião e tradições.

Por esse motivo, a moral é sempre interpretada como o bem, como tudo que promove a melhoria integral do homem, ajustando-o à realidade da vida, independentemente de religião e crença, ou até mesmo na ausência destas, tornando-se uma pessoa de bem.

Entretanto, para ser efetivamente bom, o ser humano precisa vivenciar a Lei de Amor: o bem é tudo o que é conforme a Lei de Deus, e o mal é tudo o que dela se afasta.

A consciência moral decorre da estruturação do mundo moral no íntimo do ser, pois o indivíduo moralizado é alguém que considera o sentido da vida dentro de um contexto maior, que não se resume apenas ao atendimento às necessidades de sobrevivência biológica da espécie.

Enfim, para que um ato seja considerado efetivamente moral é necessário que seja voluntário, espontâneo, livre, consciente, intencional, jamais imposto. Revestido dessas características, o ato moral apresenta responsabilidade e compromisso.

Responsável é aquele que responde pelos seus atos, isto é, a pessoa consciente e livre assume a autoria do seu ato, reconhecendo-o como seu e respondendo pelas suas consequências.

A ética espírita compreende o agir de acordo com a Doutrina Espírita, que se baseia na Lei de Deus, nos ensinamentos de Jesus Cristo e na moral espírita, na prática do bem e da caridade.

A ética sintetiza regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, grupo ou sociedade. Busca fundamentar o modo de viver e agir. Deste entendimento, é possível definir regras e prescrições que determinam o comportamento e as condutas, consideradas válidas para um grupo, uma comunidade ou para um indivíduo.

Enquanto a moral trata dos valores, que devem fundamentar o comportamento coletivo e individual, a ética cuida da sua aplicabilidade, por meio de normas e regras que regulam as relações humanas. Pode-se dizer, então, que se a moral atinge todas as culturas, em qualquer época, por serem princípios universais, a ética se constitui de regras especificas definidas para uma sociedade ou grupos.

Outro aspecto importante é o dai gratuitamente o que gratuitamente recebestes”, que está inserido no contexto da moral e da ética cristã, regulando o comportamento e norteando os atos de seus seguidores, em particular da nossa reflexão: do espírita.

De todos os fatos que dão testemunho do poder de Jesus, os mais numerosos são as curas. Os apóstolos haviam recebido gratuitamente o dom de Deus para curar doentes e expulsar demônios.

No cumprimento de sua missão, Jesus contou com a colaboração dos apóstolos e de outros discípulos.

Os grandes operários da Espiritualidade, cheios de coragem e de austeridade, sulcaram as estradas de vila em vila, de aldeia em aldeia, sem se preocuparem com haveres, com roupas, com bolsas, com alforjes nem com sandálias, no cumprimento das ordens que receberam, já curando enfermos e levando a paz às multidões sufocadas pelas tribulações, já anunciando à viva voz e sem desejar outros valores, a chegada do Reino de Deus, que, deveria dominar os corações.

Para sermos considerados discípulos de Jesus é necessário o desenvolvimento de valores morais: desinteresse, abnegação, sacrifício, mansidão, coragem, dignidade, humildade, amor.

Quanto à gratuidade das curas das enfermidades e dos alívios dos sofrimentos, Deus quer que a luz chegue a todos. Não quer que o mais pobre fique dela privado e possa dizer: não tenho fé, porque não a pude pagar; não tive o consolo de receber os encorajamentos e os testemunhos de afeição dos que pranteio, porque sou pobre.

A Doutrina Espírita não se coaduna com qualquer tipo de cobrança para a prestação de serviço espiritual. Os ensinamentos tratam da desaprovação da mercantilagem em nome da Doutrina Espírita. Se recebemos de graça, de graça devemos dar.

Para obter benevolência dos bons Espíritos é condição ter humildade, devotamento e abnegação; o mais absoluto desinteresse material.

Entre o Céu e a Terra, os intermediários (médiuns) não podem receber dinheiro por essa tarefa. O Criador não vende os benefícios que concede.

A mediunidade é conferida gratuitamente por Deus para alívio dos que sofrem, não podendo ser empregada comercialmente.

Os intérpretes dos Espíritos não podem obter lucro material para instruírem os homens, mostrar-lhes o caminho do bem e conduzi-los à fé. Não devem vender mensagens que não lhes pertencem, tampouco ser objeto de lucro financeiro, pois não são produtos de sua autoria, nem de suas pesquisas, nem de seu trabalho pessoal.

O médium não pode vender a possível cura sob qualquer contexto. Essa questão não se relativiza. O médium curador transmite o fluido salutar dos bons Espíritos. Jesus e os apóstolos nada cobravam pelas curas.

O médium que exerce sua faculdade segundo o Cristo, sem interesses materiais ou egoístas, recebe a correspondente recompensa espiritual. A única moeda que o Criador acolhe como câmbio é o amor ao próximo. O Espiritismo deve ser a disseminação da palavra de consolo tal como Jesus nos ensinou. O Espiritismo não assenta com interesses comerciais.

Os bons médiuns têm afinidades com os bons Espíritos. Os maus médiuns têm afinidades com os maus Espíritos. As qualidades morais dos médiuns têm influências com a natureza dos Espíritos que se comunicam por seu intermédio.

As qualidades dos bons Espíritos são: bondade, benevolência, simplicidade de coração, amor ao próximo e desprendimentos das coisas materiais. Os defeitos que os afastam são: orgulho, egoísmo, inveja, ciúme, ódio, sensualidade e todas as paixões pelas quais o homem se apega à matéria.

A mediunidade não é arte, nem talento, pelo que não pode tornar-se profissão. Ela não existe sem o concurso dos Espíritos; faltando estes, já não há mediunidade. Explorar alguém a mediunidade é dispor de uma coisa da qual não é realmente dono. Afirmar o contrário é enganar a quem paga.

É diferente do trabalho do médico, do advogado, do engenheiro e do professor, que oferecem o fruto dos seus estudos, dos seus esforços e até dos seus sacrifícios nos bancos acadêmicos e daí poderem auferirem lucros das suas aptidões, bem longe das hostes espíritas.

Assim, é no exercício da mediunidade com Jesus e na aplicação dos seus valores a benefício do próximo e em nome da caridade que o ser atinge a plenitude das suas funções e faculdades, convertendo-se em bênçãos, semeador da saúde espiritual e da paz: “Dai gratuitamente o que gratuitamente recebestes”.

Para finalizar essa reflexão, em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec, no Capítulo XVII, “Sede perfeitos”, em “Os bons espíritas”, temos: “O Espiritismo não institui nenhuma nova moral; apenas facilita aos homens a inteligência e a prática da do Cristo, facultando fé inabalável e esclarecida aos que duvidam ou vacilam. (…) Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.”

Bibliografia:

KARDEC, Allan; tradução de Evandro Noleto Bezerra. A Gênese. 2ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2013.

KARDEC, Allan; tradução de Evandro Noleto Bezerra. O Céu e o Inferno. 2ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2013.

KARDEC, Allan; tradução de Guillon Ribeiro. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

KARDEC, Allan; tradução de Guillon Ribeiro. O Livro dos Espíritos. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

KARDEC, Allan; tradução de Guillon Ribeiro. O Livro dos Médiuns. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

KARDEC, Allan; tradução de Evandro Noleto Bezerra. O que é o Espiritismo. 2ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2017.

ROCHA, Cecília (organizadora). Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita: Programa Fundamental, Tomo I. 2ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2018.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close