O reino dos Céus é tomado à força

“Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos Céus é tomado à força, e os que usam de força se apoderam dele”. (Mateus; 11: 12)

Para se entender essa passagem evangélica, algumas citações preliminares:

“O reino dos Céus é um estado de alma, reflexo da soma de caracteres positivos que já detemos e operacionalizamos na existência” (Marta Antunes de Oliveira Moura).

“Tomada no sentido subjetivo, a expressão reino dos Céus designa a tranquilidade de consciência, a paz interior, a felicidade íntima, a suavidade no coração, a calma interna, a fé viva em Deus, tudo isso originado da perfeita compreensão das leis divinas e de completa submissão à vontade do Senhor” (Eliseu Rigonatti. O evangelho dos humildes: O reino dos Céus).

Por conseguinte, evitando-se interpretação equivocada, as expressões “tomado à força” e “os que usam de força” citadas por Jesus estão relacionadas ao estado da alma, que será mais detalhada a seguir.

Vinícius, “Nas pegadas do Mestre”, em “Sursum corda”, comenta: “O Reino dos Céus é dos fortes. Os abúlicos, os pusilânimes e os covardes jamais o alcançarão. Sua posse depende de uma porfiada conquista. A obra da salvação é obra de educação. Educar é desenvolver os poderes latentes do espírito, dentre os quais sobressai a Vontade. É com o poder da Vontade que se alcança o céu. ‘A Vontade’, disse um eminente educador, ‘é a força principal do caráter, é, numa palavra, o próprio homem’. Tomás de Aquino, interpelado por certa senhora de alta sociedade sobre o que se fazia preciso para ganhar o Céu, respondeu: ‘Querer’.”

Assim, “o Reino dos céus é tomado à força” “É com o poder da Vontade que se alcança o céu” ou o “Querer”.

A respeito da vontade, Léon Denis, no livro “O problema do ser, do destino e da dor”, em “As potências da alma”, no Capítulo “A vontade”, esclarece:

“O reino dos céus está dentro de vós’, disse o Cristo.

O mesmo pensamento está por outra forma expresso nos Vedas: ‘Tu trazes em ti um amigo sublime que não conheces’.

A sabedoria persa não é menos afirmativa: ‘Vós viveis no meio de armazéns cheios de riquezas e morreis de fome à porta’. (Suffis Ferdousis).

Todos os grandes ensinamentos concordam neste ponto: É na vida íntima, no desabrochar de nossas potências, de nossas faculdades, de nossas virtudes, que está o manancial das felicidades futuras. (…)

Por que meio poremos em movimento as potências internas e as orientaremos para um ideal elevado? Pela vontade! Os usos persistentes, tenazes, dessa faculdade soberana permitir-nos-á modificar a nossa natureza, vencer todos os obstáculos, dominar a matéria, a doença e a morte.

É pela vontade que dirigimos nossos pensamentos para um alvo determinado. Na maior parte dos homens os pensamentos flutuam sem cessar. Sua mobilidade constante e sua variedade infinita oferecem limitado acesso às influências superiores. É preciso saber se concentrar, colocar o pensamento acorde com o pensamento divino. Então, a alma humana é fecundada pelo Espírito divino, que a envolve e penetra, tornando-a apta a realizar nobres tarefas, preparando-a para a vida do espaço, cujos esplendores ela começa fracamente a entrever desde este mundo. Os Espíritos elevados veem e ouvem os pensamentos uns dos outros, com os quais são harmonias penetrantes, ao passo que os nossos são, as mais das vezes, somente discordâncias e confusão.

Aprendamos, pois, a servir-nos de nossa vontade e, por ela, a unir nossos pensamentos a tudo o que é grande, à harmonia universal, cujas vibrações enchem o espaço e embalam os mundos.

A vontade é a maior de todas as potências; é, em sua ação, comparável ao ímã. A vontade de viver, de desenvolver em nós a vida, atrai-nos novos recursos vitais; tal é o segredo da lei de evolução. A vontade pode atuar com intensidade sobre o corpo fluídico, ativar-lhe as vibrações e, dessa forma, apropriá-lo a um modo cada vez mais elevado de sensações, prepará-lo para mais alto grau de existência.

O princípio de evolução não está na matéria, está na vontade, cuja ação tanto se estende à ordem invisível das coisas como à ordem visível e material. Esta é simplesmente a consequência daquela. O princípio superior, o motor da existência, é a vontade. A vontade divina é o supremo motor da vida universal”.

Por esses esclarecimentos, a conquista do Reino dos Céus dependerá da intensidade da nossa vontade, em querer conquistá-lo dentro de nós.

Vinicius, “Nas pegadas do Mestre”, prossegue com sua interpretação:

“A maioria dos erros que cometemos são atos de fraqueza moral. Os vícios dominam-nos, a cólera arrebata-nos, o ciúme consome-nos, a ambição perturba-nos, o orgulho cega-nos, o egoísmo envilece-nos. Dissimulamos a cada passo, abafando a verdade, preterindo a justiça, pactuando com a iniquidade. E tudo por quê? — por fraqueza.

Uma vontade frouxa, deseducada, é a causa dos fracassos, dos desapontamentos, das quedas e das humilhações por que passamos na trajetória da existência. O Reino dos Céus há de ser tomado à força. É o único caso em que a violência se justifica. Sem energia de vontade não se doma a animalidade que nos degrada, não se sobe a simbólica escada de Jacob. Sem coragem moral não se abraça a verdade, nem se vive segundo a justiça. (…)

Salvar é educar. O Reino dos Céus é conquista dos fortes. Eduquemos a vontade libertando nosso espírito da ignominiosa servidão, do negregado cativeiro do vício e das paixões”.

Assim sendo, conquistaremos o Reino dos Céus com a toda a nossa força de vontade, mediante esforço e trabalho edificante na prática do bem, da caridade e do amor.


Bibliografia:

BÍBLIA SAGRADA.

DENIS, León. O problema do ser, do destino e da dor. 32ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2017.

MOURA, Marta Antunes de Oliveira (organizadora). Estudo aprofundado da doutrina espírita: Ensinos e parábolas de Jesus – Parte I. Orientações espíritas e sugestões didático-pedagógicas direcionadas ao estudo do aspecto religioso do Espiritismo. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2016.

VINÍCIUS. Nas pegadas do Mestre. 12ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2014.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close