Os desígnios de Deus

A palavra desígnio pode significar plano, projeto, intenção, propósito ou vontade.

Jesus, na oração do Pai Nosso, resumiu os deveres do ser humano para com Deus, consigo mesmo e com o próximo, ensinando a necessidade da submissão plena aos desígnios do Pai: “Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mateus, 6: 10).

Para a Doutrina Espírita, Deus é inteligência suprema, causa primária de todas as coisas. Por conseguinte, o propósito de Deus é causa primária de toda criação.

A inteligência suprema do Criador, mediante leis eternas, imutáveis e infinitas, permeia o Universo inteiro em completa ordenação, harmonia e estabilidade, demonstrando um poder onipotente, acima de tudo que existe.

Allan Kardec, em “O Livro dos Espíritos”, na questão 4, explica: “Para crer-se em Deus, basta se lance o olhar sobre as obras da Criação. O Universo existe, logo tem uma causa. Duvidar da existência de Deus é negar que todo efeito tem uma causa e avançar que o nada pôde fazer alguma coisa.”

Na questão 8, Kardec esclarece: “A harmonia existente no mecanismo do Universo patenteia combinações e desígnios determinados e, por isso mesmo, revela um poder inteligente. Atribuir a formação primária ao acaso é insensatez, pois que o acaso é cego e não pode produzir os efeitos que a inteligência produz. Um acaso inteligente já não seria acaso.”

Assim, o Universo, em plena harmonia, mediante leis eternas, imutáveis e infinitas, cumpre os desígnios da inteligência suprema, cuja presença de Deus é percebida por suas obras, pois não há efeito sem causa, e todo efeito inteligente tem causa inteligente.

Para o Espiritismo, há solidariedade entre matéria e inteligência na propagação do pensamento do Criador Supremo sob a forma de fluido inteligente, que irradia e atua em todo o Universo, penetrando todas as partes da Criação. Isso porque, todos os seres do infinito e a natureza inteira encontram-se mergulhados no fluido cósmico universal. Tudo no Universo está conectado, compondo um todo solidário.

Por essa rede inteligente universal, Deus está em toda parte. Todos os elementos da criação estão em relação constante com Deus, tornando-o onisciente de tudo o que se passa e supre a cada um o que lhe diz respeito.

O Espírito André Luiz, no livro “Evolução em dois mundos”, na Primeira parte sobre fluído cósmico, traz luz ao conhecimento de que as inteligências divinas ligadas ao Criador Supremo, ao seu comando e influxo, em perfeita fidelidade e comunhão, mergulhadas no plasma divino, cooperam com o Criador na construção dos sistemas do Universo, convertendo-os em habitações cósmicas, por meio de um serviço de cocriação no plano maior, tornando-os também agentes colaboradores da Criação.

Essas Inteligências ligadas ao Criador, obedecendo às leis de Deus, podem formar ou cocriar, mas somente Deus é o Criador de toda a eternidade.

Em um plano menor, cada um de nós, também sob os desígnios de Deus, é importante para o todo, pois, fazemos parte da construção universal e estamos mergulhados no mesmo oceano fluídico cósmico universal. Assimilando e expressando o pensamento do Criador, cada criatura é detentora de uma capacidade intrínseca de cocriação em um plano menor, inerente à faculdade de pensar, através da qual absorve a força emanante de Deus, moldando-a, à sua vontade, e influenciando, dessa forma, a própria criação.

Logo, cocriar, em plano menor, é o poder que todos temos, segundo a lei universal, à semelhança das inteligências maiores, para cocriar, moldando ou plasmando mundos e moradas, de encarnados e desencarnados, que poderão ser habitações de luz, transformando todo mal de nossa autoria no bem que edifica pelo eterno princípio do amor divino, ou habitações de sombra, geradas por mentes desequilibradas ou criminosas mergulhadas na purgação infernal.

Por essas revelações, Jesus, como integrante da comunidade de Espíritos puros eleitos pelo Senhor supremo do Universo, Diretor angélico do orbe terrestre, é a mais perfeita expressão do verbo divino para a Terra, identificado com a sua misericórdia e sabedoria, desde a organização primordial do planeta. Tudo isso comprova os valores divinos de Jesus da mais alta hierarquia espiritual, que se fez carne como Enviado de Deus, representação do Pai junto ao rebanho dos filhos transviados do seu amor e da sua sabedoria. Jesus é o caminho, a verdade e a vida em direção ao Pai, exemplo de perfeição moral que a humanidade pode pretender, cuja doutrina é a mais pura expressão da lei divina.

Assim, inseridos nos desígnios de Deus, temos que cumprir o determinismo divino na construção do nosso destino na busca da perfeição em pluralidade de existências e cooperar com a regeneração da humanidade, tendo Jesus como modelo e guia para as nossas condutas do dia a dia.

Nesse contexto de determinismo evolutivo, o Espírito imortal necessita adquirir todas as virtudes e aptidões pela prática do bem, do amor e da caridade, concorrendo para a execução dos propósitos divinos, no limite do desenvolvimento de suas forças físicas e intelectuais, em que cada um tem seu papel a desempenhar, sendo solidário coletivamente para o progresso geral.

Por conseguinte, os acontecimentos da vida, acompanhados de provas e expiações, ocorrem em decorrência da vontade de Deus, desígnios quase sempre incompreendidos e impenetráveis.

Na prática do bem, do amor e da caridade, os verdadeiros laços afetivos entre os seres humanos se darão pela prática da fraternidade universal, que se fortalecem pela purificação moral e espiritual, perpetuando-se no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma.

Nada será superado sem esforço, sacrifício e renúncia. Em todos as circunstâncias, devemos submeter-nos à vontade de Deus, suportar com coragem as tribulações da vida, sem queixas, em particular quando for imposto uma separação física ou espiritual de um ente querido.

Como seres imperfeitos que somos, é muito difícil compreender os desígnios de Deus, que são eivados de justiça, bondade, misericórdia e sabedoria para todos os seres do Universo. Eles vão muito além do nosso ínfimo entendimento.

Em certas circunstâncias da vida, não se cumprirá o que lhe foi atribuído sem renunciar em obediência à vontade de Deus, compreendendo os seus desígnios, os quais são necessários para a edificação do reino de Deus, devendo ser a principal preocupação.

O Cristo em sua missão na Terra, até o martírio na cruz, ensinou e testemunhou o amor divino, o sacrifício e a renúncia plena, em especial durante o seu calvário e a crucificação, diante da traição, da humilhação, da solidão e do abandono a que foi submetido, inclusive dos seus discípulos.

Jesus passa para a Humanidade a lição de amor, fidelidade e comunhão com o Pai, assim como a renúncia necessária para se edificar o reino de Deus dentro de nós.

A ingratidão recebida por Jesus, após inúmeros benefícios proporcionados, conduz a profundas reflexões sobre o seu sublime amor por todos nós e a renúncia demonstrada a tudo que foi exposto.

O Mestre abriu novas perspectivas ao ser humano, estabelecendo novo sistema de vida e melhoria no relacionamento entre as pessoas.

Em cada estágio da prática do amor divino, purificamos o coração das nossas próprias imperfeições mediante as lutas renovadoras em várias existências.

A cada experiência amorosa, sobe-se um degrau evolutivo. O amor a tudo modifica, transforma, cura e regenera.

Não poderemos praticar o verdadeiro amor sem renúncia, pois essas virtudes estão intimamente ligadas para suportar as provas e expiações da vida e impulsionar a nossa evolução moral e espiritual, de acordo com os desígnios, os propósitos e a vontade de Deus. Por isso Jesus disse: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”. (Mateus, 16: 24; Lucas, 9: 23; e Marcos, 8: 34)

Jesus exemplificou a prática do verdadeiro e puro amor divino, demonstrando como renunciar em diferentes situações, com sacrifício e sofrimento, para se galgar patamares mais elevados de evolução moral e espiritual, em obediência à vontade e aos desígnios de Deus.

Nada é por acaso, a vida tem um sentido existencial. Tudo tem um motivo, um propósito, uma finalidade e uma vontade divina na construção do nosso destino e na cocriação de um mundo mais fraterno.

O caminho a ser percorrido será a prática do amor verdadeiro, puro e divino, que faz evoluir o ser humano moral e espiritualmente.

Nesse processo evolutivo, encontraremos diversas situações caracterizadas como provas e expirações, que exigirão fé, confiança, coragem, esperança, esforço, sacrifício e renúncia de nós mesmos, acompanhados de dor e sofrimentos, instrumentos educativos para a renovação e regeneração do Espírito.

Essas situações exigirão renúncias ao egoísmo, ao orgulho, à vaidade, à raiva, ao ódio, ao ressentimento, ao apego material, ao convívio familiar, ao afastamento de um ente querido, a si mesmo, dentre outros tantos.

Renúncias que conduzirão para outros patamares de amor para conosco e junto aos nossos semelhantes, mediante o serviço edificante do bem e da caridade, em fidelidade e comunhão com os propósitos, os desígnios e a vontade de Deus.

Assim, em todas as circunstâncias a que somos chamados para o serviço edificante na construção do reino de Deus dentro de nós, será imprescindível a prática do puro amor, induzindo-nos à renúncia de nós mesmos para que prevaleça a vontade divina.

Bibliografia

BÍBLIA SAGRADA.

CAMPOS, Humberto de (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier. Boa Nova. 37ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2016.

DIAS, Haroldo Dutra. O Evangelho de João: Volume 1. 1ª Edição. São Paulo/SP: Intelítera Editora, 2022.

DIAS, Haroldo Dutra. Parábolas de Jesus: texto e contexto. 1ª Edição. Curitiba/PR: Federação Espírita do Paraná, 2011.

EMMANUEL (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier. A Caminho da Luz. 38ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2016.

EMMANUEL (Espírito), na psicografia de Francisco Cândido Xavier. O Consolador. 10ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

KARDEC, Allan; tradução de Guillon Ribeiro. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

KARDEC, Allan; tradução de Guillon Ribeiro. O Livro dos Espíritos. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

LUIZ, André (Espírito); na psicografia de Francisco Cândido Xavier. Evolução em dois mundos. 27ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2018.

MOURA, Marta Antunes de Oliveira de (organizadora). O evangelho redivivo: estudo interpretativo do Evangelho segundo Mateus. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2020.

Para acessar o Blog Reflexões espíritas, clicar no link abaixo:

https://juancarlosespiritismo.blog/

2 comentários em “Os desígnios de Deus

  1. Graça Henriques 31/12/2022 — 08:07

    Fico encantada com a sua tentativa de explicar Deus. Para mim, entretanto, pensar em Deus traz-me aflição, pois não posso compreendê-lo. Então, simplesmente creio porque creio em Jesus e o entendo quase sempre. Achei confortante dizer isso para alguém que talvez possa me compreender…

    1. Prezada Graça Henriques, boa tarde! Muito obrigado pelo seu comantário. Sim, compreendo muito bem as suas palavras. No Evangelho de João, temos: “Ninguém jamais viu a Deus; o Filho unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou” (João, 1: 18). Jesus nos reveleu Deus com seus atributos: eterno, justo, bom e misericordioso. Embora não podemos ver Deus, com diz o texto postado, podemos sentir a sua presença por suas obras. Um feliz Ano Novo, com paz, saúde e as bençãos de Deus! Juan Carlos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close