Bem-aventurados os que têm puro o coração

“Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus”, do Evangelho de Mateus (5: 8).

Esta reflexão está inserida no contexto das bem-aventuranças, do Sermão da Montanha, das quais os principais ensinamentos e conceitos são expressos como síntese das mensagens do Mestre Jesus.

As bem-aventuranças anunciam a vinda do reino de Deus por meio da Palavra e da ação de Jesus, que tornam a justiça divina presente no mundo. Elas revelam também o caráter das pessoas que pertencem ao Reino de Deus, exortando as pessoas a seguir este carácter exemplar.

Bem-aventurado significa bem-estar, prosperidade espiritual, alegria profunda da alma ou felicidade.

No Sermão, são descritos os passos que o homem deve seguir para pertencer ao reino dos Céus, que está em nosso próprio Espírito, quando aceitamos as leis de Deus e o seu reinado. Os cidadãos do reino de Deus deixam que a Palavra d’Ele tenha domínio sobre suas vidas. Eles seguem o Evangelho e formam, hoje, coletivamente, o território da nação de Deus.

A bem-aventurança consiste na afirmação do passo inicial, seguida da afirmativa que se refere à consequência desse passo. A cada bem-aventurança temos duas partes: uma condição (atitudes, opções e realidades a serem assumidas) e um resultado. Aqueles que experimentam a primeira parte estarão em condições de experimentar a segunda parte.

Os ensinamentos desta reflexão têm como foco: pureza do coração (limpeza interior ou limpeza espiritual) e ver a Deus (iluminação interior).

Jesus disse: “não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração”. (Mateus 6: 19-21)

Jesus fala dos tesouros celestiais, onde estará assentado o nosso coração, porquanto o coração simboliza os nossos sentimentos, o órgão que constitui o verdadeiro termômetro das emoções e que está na dependência do centro vital chamado Cardíaco (situado no corpo perispiritual), que age sobre a circulação do sangue e a emotividade.

É comum vermos alguém dizendo: aquela pessoa não tem coração; ele tem um bom coração; fulano tem o coração duro; ela está com o coração triste; ele falou com o coração; tenho o coração aberto; entre outras tantas expressões. Isso porque, o coração tem sido símbolo dos nossos sentimentos. É como se todos os sentimentos por ele passassem e deixassem suas marcas, as boas e as ruins. A sensação é causada pela descarga de adrenalina, que faz a pressão arterial subir e acelerar o batimento cardíaco.

Para os cristãos, o coração sempre abrigou a essência do ser, permitindo a aproximação entre Deus e os homens, e uma relação direta entre amor e espiritualidade, sendo o coração símbolo do sentimento de amor.

Para o Espiritismo, o coração está relacionado aos sentimentos humanos, bons ou ruins. O sentimento é uma configuração afetiva estável, de duração maior do que a emoção, e está associada a conteúdos psíquicos mais consistentes. O sentimento se constrói a partir de experiências ou reflexões conscientes que se associam a redes emocionais inconscientes.

A emoção é uma reação afetiva, aguda e momentânea, de curta duração, com ou sem consequências somáticas, cuja ocorrência, na maioria das vezes, é de forma instintiva. A emoção, geralmente, faz-nos agir por impulso, de forma desequilibrada ou apaixonada, ou tomar atitudes impensadas. Em nome da paixão, uma pessoa é capaz de cometer crime.

A mente elabora o pensamento, norteia a razão e comanda a vida. O pensamento é onda eletromagnética emitida pela mente, sendo a mais elevada expressão da energia mental que constitui o fluido magnético de elevado poder de ação. O pensamento é força que determina, estabelece, transforma, edifica, destrói e reconstrói. É governado pela razão e pelas emoções, sentimentos e paixões.

Quantas pessoas vivem escravas de seus pensamentos, que geram aflições, ansiedades e sofrimentos. Às vezes, são dominadas pelos pensamentos ruins e somente mentalizam que algo de errado irá acontecer, e acontece, porquanto pensamentos negativos atraem maus espíritos.

Pelo pensamento, o ser humano cria formas-pensamento (imagens mentais), que acoplam ideias e podem ser projetadas ou transmitidas por telepatia, gestos ou expressões corporais e serem captadas pelos Espíritos. Os pensamentos podem também induzir ideias fixas que tornam a pessoa obsessiva, compulsiva e passional.

Agir com a razão é pensar nas consequências da decisão ou dos atos. Para isso, faz-se necessário reeducarmos nossos pensamentos, sentimentos e emoções.

Também tem sido comum ver pessoas dizendo que devemos conquistar corações e mentes para sensibilizar as pessoas.

“Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus”. (Mateus 5: 8)

A primeira parte trata da felicidade daqueles (bem-aventurados) que têm puro o coração (limpo o coração ou limpeza interior). Se tiver pureza no coração, de acordo com os ensinamentos de Jesus, que é o caminho, a verdade e a vida, pois ninguém vem ao Pai, senão por Ele (João, 14: 6), na segunda parte, verão a Deus (iluminação interior).

A pureza de coração está ligada à “alma que optou por seguir Jesus Cristo, acendendo em seu coração os talentos que recebeu do Pai, com luzes refletoras do caminho que a levará ao Alto”. (MENEZES. Estudando o Evangelho com Bezerra de Menezes, pg. 119)

Para Allan Kardec, a pureza do coração é inseparável da simplicidade e da humildade, assim como exclui toda ideia de egoísmo e de orgulho. Nesse sentido, quem tem puro o coração é aquele que limpou o coração de todos os sentimentos contrários aos ensinamentos de Jesus, que afastou o egoísmo e o orgulho, semeando a simplicidade e a humildade.

Para aprofundar um pouco mais na pureza do coração, selecionamos textos de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier, que veremos adiante.

“(…) Quando a pureza respirar em nosso coração, o endurecimento espiritual jamais encontrará guarida em nossa alma, porque o calor de nosso carinho irradiará em todas as direções, estimulando a alegria dos bons e reduzindo a infelicidade dos nossos irmãos que ainda se confiam à ignorância. (…) Bem-aventurados os puros de coração! – Proclamou o divino Amigo”. (EMMANUEL, psicografado por Chico Xavier. Evangelho por Emmanuel: comentários ao evangelho segundo Mateus, pg. 67 e pg. 68)

Para Emmanuel, a pureza do coração evitará o endurecimento espiritual na alma, porque ela aquecerá e irradiará amor em todas as direções (ver a Deus), estimulando a alegria dos bons e reduzindo a infelicidade dos nossos irmãos.

“Estudando a palavra do Mestre Divino, recordemos que no mundo, até hoje, não existiu ninguém quanto Ele, com tanta pureza na própria alma. (…) Se purificares, assim, o coração, identificarás a presença de Deus em toda parte, compreendendo que a esperança do Criador não esmorece em criatura alguma, e perceberás que a maldade e o crime são apenas espinheiro e lama que envolvem o campo da alma – o brilhante divino que virá fatalmente à luz…” (EMMANUEL, psicografado por Chico Xavier. Evangelho por Emmanuel: comentários ao evangelho segundo Mateus, pg. 68 e pg. 69)

Destas leituras, a pureza do coração ajudará a identificar, ou ver, a presença de Deus em toda parte, e perceberá que a maldade e o crime são apenas espinheiro e lama que envolvem o campo da alma.

No livro “Jesus, o Intérprete de Deus: o Arquétipo Humano”, de Adenáuer Novaes, temos mais alguns esclarecimentos.

“A limpeza é a claridade representada nas coisas. Significa ver claramente o que se passa consigo e a sua volta. Estar limpo é estar isento de sujeira e totalmente sem manchas ou impurezas que impeçam a manifestação clara e direta do que se deve mostrar.

Quando se trata do coração, refere-se ao mundo emocional da pessoa no que diz respeito ao sentimento. O que passa pelo coração marca e é gravado perispiritualmente.

Cuidar do coração é ocupar-se do meio pelo qual o espírito grava as experiências da vida. Tudo que emocionalmente nos afeta, promove a criação de um núcleo aglutinador de experiências relacionadas.

O coração simboliza o centro cardíaco, órgão responsável pelo fluxo dos processos emocionais do espírito. É nele que a vida acontece intensamente. Tê-lo limpo é cuidar para que as impurezas oriundas dos julgamentos críticos a respeito dos outros não o mancharem.

Para tanto, é preciso evitar as projeções inconscientes que transferem para outrem o que pertence ao mundo da sombra de cada um. Naturalmente o ser humano, sujando seu coração, permite que ele se contamine com o veneno dos julgamentos inferiores a respeito do outro”. (NOVAES. Jesus, o Intérprete de Deus: o Arquétipo Humano, pg. 101)

O ver a Deus deve ser entendido como a iluminação interior em decorrência do coração puro daquele que enxerga as leis de Deus e os ensinamentos de Jesus. Somente aqueles cujo coração é limpo e sincero verão (compreenderão) a Deus. Se queremos ver a Deus, devemos manter limpa a janela da alma. Podemos vê-Lo a partir do momento em que Ele se torna uma experiência real em nossa vida.

No Evangelho de Mateus, tem-se alguns esclarecimentos: “A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!” (Mateus 6: 22-23)

“Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou”. (João 1: 18)

Para se ter a visão em Deus, “disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. (João, 14: 6)

O Espírito Áureo, em “Universo e Vida”, esclarece:

“É em razão disso que os ‘filhos da Luz’, isto é, as consciências iluminadas pelo bem, são sempre mais poderosos do que os ‘filhos da treva’, ou seja, as consciências ensombrecidas pelo crime. Isto porque as vibrações do pensamento têm sempre efeitos luminosos, geram luz, e essa luz tem, naturalmente, frequência, intensidade, coloração, tonalidade, brilho e poder peculiares, de acordo com a sua natureza, força e elevação.

Poder-se-ia dizer que a hierarquia espiritual se assinala por naturais diferenças de luminosidade, a traduzir níveis e expressões variadas de elevação, grandeza, potência e saber. (…)

Descendo, porém, à humildade da nossa condição, consideremos que tudo em nosso plano é relativo e que, dentro das limitações de nossa realidade, a luz do bem é força divina que o Poder do Alto nos convida constantemente a sublimar e expandir”. (ÁUREO, Universo e Vida, pg. 133)

Em “A Gênese”, de Allan Kardec, destacam-se:

“36. Assim sendo, nenhum homem pode ver Deus com os olhos carnais. Se essa graça fosse concedida a alguns, só o seria no estado de êxtase, quando então a alma se encontra tão desprendida dos laços da matéria que isso é possível durante a encarnação. Aliás, um tal privilégio seria apenas das almas de escol, encarnadas em missão e não em expiação. Porém, como os espíritos de ordem mais elevada refulgem com um brilho ofuscante, pode acontecer que espíritos menos elevados, encarnados ou desencarnados, impressionados com o esplendor que os envolve, pensem estar vendo o próprio Deus. É como quem vê um ministro e o confunde com o seu governante”. (KARDEC, A Gênese, pg. 80)

Do Espírito Emmanuel, na psicografia de Chico Xavier, ressaltamos:

“Demonstrai, com o vosso exemplo, que a luz permanece em vossos corações e cooperareis conosco, em favor dessas mutações precisas.

Toda reforma terá de nascer no interior. Da iluminação do coração vem a verdadeira cristianização do lar, e do aperfeiçoamento das coletividades surgirá o novo e glorioso dia da Humanidade”. (EMMANUEL. Emmanuel, pg. 92)

“Em meio da grande noite, é necessário acendamos nossa luz. Sem isso é impossível encontrar o caminho da libertação. Sem a irradiação brilhante de nosso próprio ser, não poderemos ser vistos com facilidade pelos Mensageiros Divinos, que ajudam em nome do Altíssimo, e nem auxiliaremos efetivamente a quem quer que seja. É indispensável organizar o santuário interior e iluminá-lo, a fim de que as trevas não nos dominem”. (EMMANUEL. Caminho, Verdade e Vida, pg. 182)

Do Espírito Miramez, por psicografia de João Nunes Maia: A força de iluminação vem de Deus, mas se avoluma no exercício de cada coração. Jesus foi o protótipo da perfeição e em se falando sobre a humanidade, Ele, o Mestre dos mestres é como o Sol, de que todos dependemos”.

Resumidamente, para a consolidação desses ensinamentos:

  • nós vivemos em constante cegueira para as coisas de Deus;
  • as coisas de Deus estão no nosso entorno e não enxergamos;
  • devemos limpar o nosso coração de todas as coisas contrária às leis de Deus, para abrir a visão na direção D’Ele;
  • ao se ter visão de Deus, começamos a iluminar o interior da nossa alma, do nosso Espírito, e passamos a ter luz, frequência, intensidade, coloração, tonalidade e brilho, com a cor da nossa evolução espiritual, natureza, força e elevação; e
  • assim, esta bem-aventurança começa dentro de nós, no nosso coração.

Adenáuer Novaes, no livro “Jesus, o Intérprete de Deus: o Arquétipo Humano”, traz alguns conceitos acerca de ver a Deus:

“Ver a Deus é encontrar-se, percebendo-se em sua própria essência, tal qual sempre desejou estar. É encontrar o sentido e significado da própria vida, conhecendo-se a si mesmo.

Ver a Deus é encontrar a razão da própria existência sem qualquer angústia ou medo. É conseguir conhecer-se, descobrir-se, transformar-se e iluminar-se pela via do coração.

É, de fato, alcançar o amor na sua mais pura expressão. A relação entre o coração puro e a percepção do Divino estabelece-se quando se entende que a via do amor é a ponte única do Espírito para sua evolução.

É o amor a força viva que impulsiona o Espírito, elevando-o ao Divino.

Quando se vibra na dimensão do amor, conecta-se às forças criativas da Natureza, tornando-se permeável ao que procede do Divino para o humano.

A pureza do coração é o estado de espírito favorável ao encontro com a Designação Pessoal, roteiro seguro para o estar aqui e agora.

A visão de Deus é o alcance do amor universal e a condição para a passagem a um outro nível de evolução, mais complexo, mais amplo e mais transcendente”.(NOVAES. Jesus, o Intérprete de Deus: o Arquétipo Humano, pg. 101 e pg. 102)

Assim, afaste a cegueira para Deus!

Comece limpando o seu coração…

Toda transformação terá de nascer no interior de cada ser.

Bibliografia:

AUREO (Espírito); (psicografado por) Hernani Trindade Sant’Anna. Universo e Vida. 9ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2016.

BÍBLIA SAGRADA.

EBNER, Leda de Almeida Rezende. Centro Espírita Batuira. Verdadeira pureza e mãos não lavadas. Disponível em: http://cebatuira.org.br/estudos_detalhes.asp?estudoid=436. Publicado em 2 de julho de 2007. Acesso em 21 de abril de 2017.

EMMANUEL (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier. Caminho, Verdade e Vida. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira.

EMMANUEL (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier; coordenação de Saulo Cesar Riberio da Silva. O Evangelho por Emmanuel: comentários ao evangelho segundo João. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2017.

EMMANUEL (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier; coordenação de Saulo Cesar Riberio da Silva. O Evangelho por Emmanuel: comentários ao evangelho segundo Marcos. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2016.

EMMANUEL (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier; coordenação de Saulo Cesar Riberio da Silva. O Evangelho por Emmanuel: comentários ao evangelho segundo Mateus. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2017.

EMMANUEL (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier; coordenação de Saulo Cesar Riberio da Silva. O Evangelho por Emmanuel: comentários ao evangelho segundo Lucas. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2017.

KARDEC, Allan; coordenação de Cláudio Damasceno Ferreira Junior. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 4ª Edição. Porto Alegre/RS: Edições Besouro Box, 2011.

MENEZES, Bezerra de (Espírito), (psicografado por) Alda Maria. Estudando o Evangelho com Bezerra de Menezes. 1ª Edição. Belo Horizonte/MG: Centro Espírita Manoel Felipe Santiago (CEMFS), 2014.

NOVAES, Adenáuer. Jesus, o Intérprete de Deus. Volume I, O Arquétipo Humano. 1ª Edição. Salvador/BA: Fundação Lar Harmonia, 2012.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close