Os níveis de amor e a evolução moral e espiritual

Essa reflexão vai tratar dos níveis de amor e a escala evolutiva moral e espiritual na busca da perfeição relativa à humanidade ensinada e exemplificada pelo Mestre Jesus.

O Cristo veio ensinar a lei maior do amor divino, tendo o seu Evangelho como um dos pilares a ser conquistado por cada ser humano em suas jornadas evolutivas.

Com a Boa Nova, o Mestre abriu novas perspectivas ao ser humano, estabelecendo novo sistema de vida e melhoria no relacionamento entre as pessoas. Enfatizou o perdão incondicional, o auxílio aos seus semelhantes e o amor aos inimigos, assim como a perseverança e a vigilância para se alcançar patamares de evolução mais elevados.

Em cada estágio da prática do amor divino, purificamos o coração das nossas próprias imperfeições mediante os combates necessários em várias existências. A cada experiência amorosa, sobe-se um degrau evolutivo rumo à perfeição a que estamos destinados.

Um dos meios para se desenvolver uma transformação interior para mudar e melhorar moral e espiritualmente é a condução de uma reforma íntima para se enxergar, identificar, assumir e aceitar as suas reais condições de imperfeição, aquilo que ainda necessita realizar para seguir o caminho da verdade e da vida em direção ao Pai.

Os níveis de amor divino na busca da perfeição:

Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo

Este é o primeiro nível de evolução.

Jesus ensinou: “Amar a Deus acima de todas as coisas e o próximo como a si mesmo”, e acrescentando: “aí estão a lei toda e os profetas” (Mateus, 22: 37- 39). Isso porque não se pode verdadeiramente amar a Deus sem amar o próximo, nem amar o próximo sem amar a Deus. Tudo o que se faça contra o próximo é fazê-lo contra Deus.

Você se ama? Quanto é esse amor? Tem amado o próximo? Quanto é esse amor?

O “amar o próximo como a si mesmo” relaciona o amor ao próximo com o amor que a pessoa tem dela mesma. O quanto amo o próximo é o mesmo do meu amor-próprio.

Se não tenho amor-próprio, como amar o próximo? Não será possível!

Por outro lado, se tenho amor egoísta, da mesma forma, não há lugar para o amor ao próximo.

Além do egoísmo pessoal, há o egoísmo seletivo: somente amo pessoas do meu círculo de afinidade. De igual maneira, não consigo amar o próximo.

Daí a meta a ser alcançada: estender o círculo de amor além do núcleo de parentesco e amizade, rumo à fraternidade universal.

Pela reencarnação, somos solidários no passado e no futuro, em que as relações se perpetuam no mundo espiritual e no corporal.

Somente o progresso moral e espiritual pode assegurar a felicidade dos homens na Terra, colocando um freio nas más paixões; somente ele pode fazer com que reinem a concórdia, a paz e a fraternidade entre os homens.

Amar os inimigos

Esse nível de amor vai mais além do amor ao próximo, pois ele engloba todos aqueles que me ofendem, odeiam, perseguem, causam grande mal, dentre outros.

Jesus disse: “reconciliai-vos o mais depressa possível com o vosso adversário, enquanto estais com ele a caminho, para que ele não vos entregue ao juiz, o juiz não vos entregue ao ministro da justiça e não sejais metido em prisão. Digo-vos, em verdade, que daí não saireis, enquanto não houverdes pago o último ceitil”. (Mateus, 5: 25-26)

Disse ainda: “Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam, a fim de serdes filhos do vosso Pai que está nos céus e que faz se levante o Sol para os bons e para os maus e que chova sobre os justos e os injustos”. (Mateus, 5: 43-45)

Pode uma pessoa amar o seu inimigo? Isso é possível? Pode alguém oferecer a face esquerda, quando baterem na face direita?

Na escala de evolução espiritual, “amai os vossos inimigos” seria quase chegar à perfeição.

Há de se considerar, ainda, a presença dos “inimigos” que cada um traz dentro de si, representados pelas próprias imperfeições, más tendências e outras deficiências que conspiram contra a saúde física, emocional e espiritual. Os pontos negativos que imperam no nosso psiquismo são elementos complexos que precisam ser desativados, pois conspiram, continuamente, contra a nossa paz de espírito, nos atormentando a existência.

Se amar o próximo constitui o princípio da caridade, amar os inimigos é a mais sublime aplicação desse princípio, porquanto a posse de tal virtude representa uma das maiores vitórias alcançadas contra o egoísmo e o orgulho.

Amar como Jesus amou

Esse é o nível de plenitude do amor divino relativo à humanidade na busca da perfeição a que somos destinados.

O Cristo disse: “Eu lhes dou este novo mandamento: amem uns aos outros. Assim como eu os amei, amem também uns aos outros. Se tiverem amor uns pelos outros, todos saberão que vocês são meus discípulos”. (João, 13: 34-35)

Jesus disse que se tratava de novo mandamento, além de amarás a Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento” e “amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.

Esse novo mandamento pode ser resumido em: amar como Jesus amou; em amando desta maneira, serão considerados seus discípulos. O novo chamamento de Jesus conduz a buscar o seu exemplo de amar, ordenando ir uns aos outros, amando-se mutuamente.

O Mestre, no momento derradeiro em sua jornada na Terra, disse: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23: 34).

Do Livro Boa Nova, o Espírito Humberto de Campos destaca: “daqueles lábios, que haviam ensinado a verdade e o bem, a simplicidade e o amor, não chegou a escapar-se uma queixa. Martirizado na sua estrada de angústias, o Messias só teve o máximo perdão para seus algozes”.

No martírio, Jesus perdoou a humanidade inteira, inclusive os algozes, exemplificando seus ensinamentos: “porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai Celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas” (Mateus 6: 14-15).

“Em amarmos os nossos inimigos, em fazermos o bem aos que nos odeiam, em orarmos pelos que nos perseguem”, tem-se a lei suprema do Amor, do perdão e da caridade, essências da perfeição. Amar os inimigos, os que odeiam ou os que perseguem passa pelo perdão.

Do amor ao próximo até amar os inimigos, mede-se a evolução moral, donde decorre o grau da perfeição. Foi por isso que Jesus, depois de haver dado a seus discípulos as regras, lhes disse: sede perfeitos, como perfeito é vosso Pai celestial”.

Assim, a fraternidade não está mais circunscrita a alguns indivíduos que o acaso reúne durante a duração efêmera da vida; ela é perpétua como a vida do Espírito, universal como a humanidade, que constitui uma grande família em que todos os membros são solidários uns com os outros, qualquer que seja a época em que viveram.

Bibliografia:

BÍBLIA SAGRADA.

KARDEC, Allan; tradução de Guillon Ribeiro. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 1ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2019.

CAMPOS, Humberto de (Espírito); (psicografado por) Francisco Cândido Xavier. Boa Nova. 37ª Edição. Brasília/DF: Federação Espírita Brasileira, 2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close